sábado, 8 de janeiro de 2011

COOPERBOM TURISMO CRIA CENTRAL DE RESERVAS E INFORMAÇÕES TURÍSTICAS EM ILHÉUS

*por Winston Meireles

Dentro de sua proposta de não somente reclamar das dificuldades mais partir para iniciativas necessárias à melhoria do tão criticado serviço turístico local, a Cooperbom Turismo já há algum tempo vem praticando ações para que saiamos desta inércia.

Agora, em mais uma de suas atividades proativas para este cenário, montou em sua própria sede uma central de reservas e informações turísticas.

Trata-se de apoiar aqueles visitantes que sem planejamento chegam ao município, muitas vezes - e são muitos – sem saber onde ficar e o que fazer para melhor aproveitar nossas atrações turísticas.

Utilizando-se de sua localização estratégica – logo após o primeiro sinal da Avenida Lomanto Júnior –, já que os visitantes têm que obrigatoriamente transitar por ali em visita às praia do sul, a CBT providenciou os cuidados necessários ao bom atendimento ao turista e colocou faixas indicativas na avenida, no intuito de alertar aos recém chegados sobre os serviços turísticos de seu interesse.

Mesmo tendo dificuldade de resposta, via internet, com a maioria dos hotéis e pousadas para que repasse suas tarifas da alta e da baixa estação, – mesmo pessoalmente há uma certa desconfiança e demora em atender ao pedido de informação, coisa típica do local pouco acostumado com qualquer tipo de organização nessa área - iniciou-se um trabalho de orientação turística.

Ainda que muitos empresários – a maioria desconfiados, como somos por aqui - ainda não percebam a utilidade dos serviços, trata-se, em verdade, de um enorme benefício à nossa comunidade e principalmente ao trade local.

Afinal, ao prestar o serviço de atendimento turístico ao nosso visitante, isso será útil:

Quanto ao turista:

1. Elimina sua aflição de chegar a um lugar desconhecido, sem o devido planejamento.

2. Ganha tempo e dinheiro que lhe seria necessário para perguntar às pessoas desconhecidas sobre o assunto ou ter que telefonar.

3. Ganha em segurança, qualidade e veracidade das informações.

4. Consegue com rapidez o local que mais poderá lhe ser útil e prazeroso.

5. Compatibiliza os preços com sua situação econômica.

Quanto ao trade turístico:

  1. Elimina o intermediário despreparado
  2. Faz o turista consciente do que lhe espera.
  3. Ordena os turistas facilitando-lhe o trabalho receptivo.
  4. Completa os aptºs ociosos de seu empreendimento.
  5. Segmenta a classe social dentro de seu adequado meio turístico.
  6. Capta o turista no local, impedindo que ele vá para outra região.
Quanto ao turismo regional:
  1. Elimina o intermediário despreparado que pode, até mesmo, denegrir a imagem de nosso turismo local.
  2. Dá idéia ao turista de organização e conforto.
  3. Colabora com bom marketing para a região.
  4. Faz crescer as chances da boa propaganda boca a boca.
  5. Aumenta as estimativas de que o turista queira ou possa voltar ao destino.

Vendo desta forma, nota-se claramente o quanto este tipo de serviço pode apoiar a melhoria dos diversos segmentos do turismo e todos nós ganharmos com isso.

As barreiras, muitas vezes, encontram-se no próprio empresário local. Muitos não colaboram com as informações necessárias, demorando em suas iniciativas. Mesmo sem perceber, por desconhecerem a importância deste trabalho e, por isso, não se abrirem aos benefícios da proposta.

O que é Importante mesmo, nessa hora, é que não se pode ficar limitado em só pensar nos benefícios pessoais – o que eu ganho nesse instante com isso? Muito comum em nosso local -, mas também e principalmente, nas vantagens indiretas, aquelas que são propostas à sociedade e ao nosso turismo regional a médio e longo tempo.

Difícil mesmo é fazer nossa sociedade local entender o que são benefícios indiretos e mais ainda o que são vantagens a médio e longo prazo, pois culturalmente – claro, não são todos – temos uma sociedade ainda individualista e imediatista, onde ainda nos encontramos bloqueados para o sentido da cooperação.

Mas um dia chegaremos lá, ou simplesmente veremos imperar a mesmice dos maus serviços e das reclamações que nos causam tantos impactos negativos.

* Winston Meireles - Diretor Presidente da Cooperbom Turismo é mestrando em Direção e Consultoria Turística pela Universidad Europea Miguel de Cervantes (Espanha), especialista em Direito Econômico e das Empresas (FGV) e Economia das Sociedades Cooperativas (UESC), Bacharel em Direito (UFRJ) e Ciências Contábeis (UNACAP), e Coronel da Reserva da Força Aérea Brasileira.

Nenhum comentário: