sábado, 6 de dezembro de 2008

Equipes se preparam para retirar baronesas das praias de Ilhéus


As baronesas já começaram a chegar às praias de Ilhéus e com elas a preocupação da administração do município em deixar o litoral em condições de oferecer comodidade para a população fixa e os turistas. Devido o grande volume da planta aquática nos rios que deságuam no município, estima-se que neste verão o trabalho de limpeza das praias será redobrado, isso em relação aos anos anteriores. O secretário de Serviços Urbanos, Carlos Freitas, informou que as equipes de plantão da Prefeitura estão preparadas para fazer a retirada na época oportuna.
Espécie de planta aquática conhecida também como iguapé, a baronesa cujo nome científico é Eichhornia crassipes se prolifera mais facilmente em águas poluídas, com variações de nutrientes, ph, substâncias tóxicas, metais pesados e mudanças de temperaturas. O longo período de estiagem que perdurou na região por quase 70 dias, favoreceu ainda mais o florescimento do vegetal, tendo em vista a ausência dos movimentos dos rios que formam a bacia hidrográfica que deságuam na cidade de Ilhéus, além do nível de poluição do Cachoeira. Planta aquática e flutuante o aguapé é muito ornamental. No entanto em algumas situações de superpopulação ela pode se tornar um problema em lagos e rios. De folhas redondas, grandes e brilhantes o aguapé se multiplica rapidamente. Sua inflorescência composta de belas flores azuis arroxeadas se assemelha a do jacinto.
Os rios Cachoeira e Almada são ambientes propícios para o florescimento das espécies, O primeiro deságua na baia do Pontal e o outro na boca da barra, que fica entre os bairros São Miguel e Malhado, na zona norte da cidade. Neste caso, todas as praias de Ilhéus ficam vulneráveis às espécies que costumam se desprender dos rios e acompanhar o movimento natural de suas águas em épocas de chuvas, como começou a acontecer depois do longo período de estiagem.
As desembocaduras das bacias do Cachoeira e Almada ficam no norte e sul da cidade, sendo assim, deixam as praias localizadas na faixa de mais de 80 quilômetros de litoral vulneráveis às baronesas. Pela extensão do litoral, o trabalho de limpeza das praias se torna trabalhoso, uma que vez é necessário maquinário pesado e diversos veículos e homens para realizar a tarefa.
O secretário Carlos Freitas disse que a Prefeitura se preparou para a retirada das baronesas, mas é necessário esperar que elas desçam em maior quantidade. Estima que, a depender das chuvas, o trabalho para retirar às iguapés que chegam às praias de Ilhéus, através das bacias dos rios Cachoeira e Almada, deve acontecer dentro de 15 a 20 dias. Enquanto isso não acontece, as equipes se mantêm preparadas para iniciar o trabalho.
Praias como avenida Soares Lopes e Cristo (centro da cidade), Marciano, São Miguel e do Norte (zona norte), Nova Brasília, Concha e Milionários e do Sul (zona sul), são as mais atingidas pela enorme quantidade de baronesas que costuma invadir o litoral ilheense. São as mais prejudicadas devido à proximidade com as desembocaduras.

Fontes:
Ascom da Prefeitura de Ilheus

Nenhum comentário: